Pular para o conteúdo principal

CAROÇINHOS NO ROSTO DO BEBÊ, VEJA O QUE PODE SER!

     DERMATITE ATÓPICA: SAIBA COMO TRATAR

Você começou a perceber que o seu filho está se coçando com frequência, que a pele dele está ressecada, avermelhada e até com casquinhas? Talvez ele tenha dermatite atópica, uma doença inflamatória crônica que acomete crianças a partir dos dois meses de vida e também adultos. “O que muda é a localização das lesões: nos bebês, elas ficam principalmente na região do rosto, bochechas e pescoço. À medida que eles crescem, as feridas se concentram nas dobras das pernas e dos braços”, explica Paula Sanchez, dermatologista de São Paulo.

Atualmente, estima-se que cerca de 10 a 15% da população enfrente o problema em algum momento da vida. As pessoas com asma e rinite estão mais sujeitas a apresentá-lo e, embora não seja hereditário, o componente genético é importante. “Se os pais tiverem, a chance do filho apresentar a dermatite atópica aumenta, por isso é importante investigar se há algum antecedente, mas é claro que fatores ambientais também estão relacionados”, esclarece a médica.

Há, ainda, alguns aspectos que agravam a patologia, como as estações do ano. No frio, a pele costuma ficar mais ressecada, já no calor a transpiração aumenta. Locais com poeira, ácaros, substâncias químicas, como produtos de limpeza, e roupas sintéticas ou de lã são outras coisas que pioram. “O principal tratamento é usar hidratantes (sem cheiro e cor). Também indicamos pomadas de corticoides e imunomoduladores tópicos e orientamos que a criança tome banhos mornos, use sabonetes neutros somente nos locais em que realmente precisa – região genital, mãos, pés, braços – e evite buchas”, orienta a dermatologista.

E apesar da coceira ser um dos principais sintomas da enfermidade, o ideal é que os pequenos resistam à tentação, já que esse hábito também desencadeia o processo inflamatório. Por esse motivo, é recomendado que os baixinhos estejam sempre com as unhas cortadas e os bebês usem luvas. Diferente do que algumas pessoas acreditam, a dermatite não é contagiosa e é fundamental que os pais deixem isso claro – principalmente no ambiente escolar, para evitar que o filho sofra algum tipo de bullying.

“Normalmente, os pequenos que têm a enfermidade acabam ficando mais prostrados, quietinhos e até deprimidos. Eles ficam chateados porque, às vezes, são discriminados por causa das lesões de pele. É importante conversar com os amiguinhos e até contar com grupos de apoio”, informa Paula. A AADA (Associação de Apoio à Dermatite Atópica) apresenta em seu site rodas de conversa que são realizadas em vários estados brasileiros e contam com pacientes que enfrentam o problema – entre eles crianças -, familiares e especialistas da área de saúde.

Apesar de não ter cura, a doença tende a regredir com a chegada da puberdade. Há especialistas que relacionam o surgimento da enfermidade com a fase em que a criança para de tomar o leite materno e introduz as comidinhas na sua dieta, mas essa é uma questão controversa. “Tem estudo que mostra que sim e outros que não existe essa associação. Mas ainda há pesquisas que estão sendo feitas e, talvez, no futuro a gente descubra que tem realmente relação”, pontua a dermatologista.

Não há maneiras de evitar a dermatite atópica, mas ela pode ser controlada com medidas relativamente simples. Se a criança tem rinite (ou asma) ou mesmo se os pais apresentam o problema, é importante ficar de olho. “Alguns estudos recentes dizem que hidratar a pele dos bebês é uma maneira de prevenir o problema, principalmente nos que apresentam esse histórico”, afirma a especialista. Procurar um dermatologista assim que os primeiros sintomas forem percebidos e seguir as instruções dadas é o primeiro passo para garantir a saúde do seu filho.

Deixe seu comentário ou sugestão e compartilhe nas redes sociais.

*Fonte: Bebê.abril

Postagens mais visitadas deste blog

MANCHAS VERMELHAS PELO CORPO DO BEBÊ DESCUBRA O QUE PODE SER

ROSÉOLA: TUDO SOBRE A DOENÇA A roséola, também conhecida como roséola infantum ou sexta doença, é uma infecção viral. Geralmente afeta crianças entre os 6 meses e os 2 anos de idade, com a maioria tendo-o pela creche. Os adultos não são afetados com freqüência.

DORES NO PÉ DA BARRIGA PODE SER UMA GRAVIDEZ ?

DORES FORTES NO PÉ DA BARRIGA, O QUE SERÁ? Sim, dores no pé da barriga pode ser gravidez. Porém, as famosas dores no “pé” da barriga ou baixo ventre, podem ter outros motivos além de ser um dos indícios de que uma gestação está em andamento. As dores ou mesmo as cólicas podem aparecer após a ovulação e também em outras situações como a TPM por exemplo.

QUEDA DE CABELO EM BEBÊS

MEU NENÉM ESTÁ FICANDO CARECA ! O QUE ESTÁ ACONTECENDO ? É normal os bebês perderem o cabelo nos primeiros seis meses. Isso acontece porque o ciclo capilar tem três fases: crescimento, repouso e queda.